OBVIOUS
instagram obvious

o instagram está uma chatice?


mensagem final dos artigos da Obvious

ou são as nossas vidas que depois de um ano e meio de pandemia
seguem orbitando um marasmo sem fim?

quem não sai de casa, não posta e está de parabéns – apesar de não ter feito mais que a obrigação, rs. já quem sai, também não publica nada pois, acredito & espero, no fundo sabe que: errado d+.

a esta altura do campeonato suponho que todas já tenhamos nos acostumado a viver com o que é possível: eu mesma, que sempre fui fãzoca de um bom rolê no final do expediente e dificilmente recusava um convite para encontrar as amigas, tenho me pegado cada vez mais sem vontade dessas interações sociais – algo que os especialistas, que vêm tentando nomear e definir a imensa quantidade de processos e sentimentos indigestos que o cenário pandêmico trouxe, nomearam como tédio social.

o tédio social explica porque a gente meio que não vai mais com a cara de ninguém, porque algumas de nós estão simplesmente com preguiça daquele papo de tô me guardando pra quando o carnaval chegar e talvez com preguiça até do próprio carnaval – julguem sim -,
porque estamos cansadas de ver pessoas antes mesmo de vê-las, porque estamos meio apáticas, meio borocoxôs, meia-bombas.

aliás, por falar em meia-bomba, o psicólogo organizacional Adam Grant cunhou um nome chic para definir esse estado bleh que grande parte de nós tem sentido ultimamente: o nome é definhamento e ele busca resumir o que se sente quando os dias se arrastam e parecem todos iguais, quando as emoções são sentidas sem clareza e intensidade, quando nossa potência parece ter caído pela metade, mas não num estado de esgotamento completo. quando uma sensação de vazio, de estagnação, de falta de felicidade ou objetivo toma conta.

é tipo assim: você sabe que não está 100% bem. percebe a dificuldade cada vez maior em se concentrar e nota também a decrescente motivação pra realizar qualquer tipo de tarefa, mas não faz absolutamente nada a respeito disso. está completamente indiferente à indiferença.

o fato é que o Instagram é feito dos usuários que estão ali e se estamos todas (ou pelo menos grande parte de nós) nos sentindo assim, borocoxozinhas, o que sobrou de energia para, afinal, interagirmos e criarmos conteúdo? e não bastando todos esses movimentos pesquisados e comprovados pela teoria, ainda sinto que passamos a nos levar a sério demais para postar qualquer besteira irrelevante nas redes, estamos tão focadas nos nossos personagens que não sobrou espaço pra nada que não nos ajude a construir a pessoa que queremos que os outros achem que somos.

ou talvez sejam esses tempos estranhos que acabaram fazendo com que se pareça leviano postar, pensar e falar qualquer coisa que não seja uma grande (e merecida) crítica às atrocidades que nos cercam.
pode parecer fútil, mas acho que só estou com saudades de sentir FOMO* pelos stories que alguém postou num rolê que eu não fui. talvez com saudades até de sentir inveja da suposta vida perfeita que a gente costumava criar a cada post no Instagram. quem diria.

*Fear Of Missing Out ou, em bom português, medo de estar perdendo alguma coisa.

4 thoughts on “o instagram está uma chatice?

  1. Gisele says:

    Eu to chocada com o quanto esse texto bate exatamente com tudo que eu tenho refletido e me incomodado nos últimos tempos. Tenho perdido, inclusive, a capacidade de expressar o que sinto e esse texto super falou por mim!
    Saudade até de achar graça nas amenidades.

  2. Eugênia says:

    Será que esse sentimento passa? Hoje eu estava pensando se a gente não soubesse quantos seguidores o outro tem, fosse uma informação pessoal e não fosse relevante o que mudaria mas postagens. Será que traria mais alegria para as pessoas comuns e principalmente para os adolescentes que tem sofrido muito com a aparência ou a vida social nada compatível com o que ele vê nas redes sociais. Tipo para quem os números importam tanto, porque não anular os números e tornar o Instagram mais democrático, sem camarotes cedidos a quem tem x números de seguidores. Ninguém quer ficar no bloquinho da pipoca pra sempre. Será que a gente podia ficar todo mundo junto? Quando vão entender que o melhor carnaval é aquele que mistura todos nós.

  3. sabrina says:

    meu deus!!!! eu nem tenho o que falar pois essa matéria já disse tudinho que ando sentindo, em cada palavra. não suporto mais o instagram, porque não suporto mais ninguém (comigo inclusa) 😖

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *