OBVIOUS

Cuidar da saúde física, gostoso demais


Um dia desse eu estava pulando os stories do pessoal que sigo no Instagram, coisa de quem tem muita coisa pra fazer e ainda sim fica ali, vendo a vida dos outros como se não tivesse que fazer nada. Parei pra ouvir uma menina dizer que há mais ou menos 7 anos não trocava de óculos, e que estava finalmente indo ao oftalmologista fazer exame porque não conseguia enxergar mais nada. Lembro de pensar: “gente, que absurdo! Quem deixa de se cuidar assim por tanto tempo?”, daí parei para refletir sobre mim e sobre o meu óculos… não fazia sete anos que eu não ia no oftalmologista, mas uns três, sim – insira aqui emoji de palhaça.


Acho importante salientar aqui que eu tenho vinte e um anos e moro sozinha desde os dezoito.

Continuando… cuidar da saúde física sempre foi algo aparentemente simples para mim. Isso porque, claro, sempre tive minha mãe me lembrando da hora de levantar pra ir na consulta, ou me impedindo de comer para não interferir no resultado do exame de sangue. Até pouco tempo atrás ela nem sequer deixava eu ir ao médico sozinha. Uma fofa… ou talvez uma superprotetora? Não sei. Hoje, com vinte e um anos e dois gatos, após uma crise bizarra de anemia a 400km de distância de qualquer familiar meu, tive que aprender a ligar para o consultório e me cuidar. Às vezes eu ligo pra ela – mainha, como chamo carinhosamente – pedindo uma ajudinha ou outra, mas no geral, preciso me virar sozinha.

Quando vi os stories da menina que eu sigo falando da consulta no oftalmo, fiquei pensando: a gente anda falando mais sobre saúde mental e afins, e eu acho isso incrível, já que mesmo com a pauta estando mais no centro da mesa de debate, ainda é algo muito banalizado. Mas acho que precisamos acrescentar ao discurso que cuidar da saúde mental também é cuidar do nosso corpo. E, olha, não são palavras minhas! Minha psicóloga é a maior incentivadora dessa pauta, e eu também virei. Porque, de fato, no pior momento do meu estado psicológico, o meu corpo gritava pedindo cuidados e eu não ouvia. Assim que comecei a dar uma atençãozinha a ele, minha mente se sentiu mais forte, e então depois as coisas andaram.

Lembro de estar em uma das minhas sessões de terapia falando como não me sentia disposta pra nada, que a minha felicidade parecia ter saído do meu corpo e eu faria qualquer coisa para tê-la de volta. A minha terapeuta perguntou: “você está se alimentando direito?”. Eu, se pudesse responder com um emoji, usaria de novo o emoji de palhaça aqui. Vasculhei a mente e não lembrei dentro de uma semana qual foi o dia que eu tive uma refeição decente, algo diferente de salgadinho e refrigerante. Ela também perguntou se eu havia feito algum exame de sangue recente, ou tinha ido a qualquer tipo de médico. Dentro de 3 anos morando sozinha, as vezes que vi um médico foi quando tive crises de estômago. Saindo um pouco do papo bad, eu estava negligenciando o meu corpo e tentando muito consertar minha mente e meus problemas psicológicos. E, aqui entre nós, não dá pra cuidar da saúde mental se a gente não cuidar também da saúde física, e vice-versa.

Uma das partes mais difíceis de amadurecer é tomar decisões saudáveis por nós mesmas. Nossos pais nos ensinam desde pequenas a estudar para ter um trabalho bom, ter uma família, cuidar dos outros, mas nem sempre somos ensinadas que maturidade também é criar uma rotina saudável pro nosso corpo, também é escolher dormir boas oito horas de sono pra não virar um zumbi no trabalho, também é não deixar a guia do plano de saúde para fazer exame vencer.

Que bom que estamos falando mais sobre saúde mental. É importante salientarmos que sem uma mente estável, não podemos existir felizes em nenhum lugar. Mas foi depois de uns bons perrengues – nada chiques – que eu aprendi que aquela frase “mente sã corpo são” é real, gatas. Então, te convido a pensar: quando foi a última vez que você fez um check-up babado nesse corpitcho, ein? E a última vez que você foi ao ginecologista? Bora se cuidar, bebê? Partiu!

 

4 thoughts on “Cuidar da saúde física, gostoso demais

  1. Juliana says:

    Acho que nunca me identifiquei tanto! E olha que esse ano coloquei como meta ter hábitos mais saudáveis… Corta pra setembro (cara de palhaça), eu com 24 anos cheia de dores no ciático. E esse foi o ano que eu mais olhei pra dentro e pra minha saúde mental. Mas o ano não acabou né? Então bora juntas xuxu

  2. Sophia Telino says:

    Lendo esse texto antes de ir pro pilates E DEUS, bateu lá dentro (o pilates é a única rotina de exercícios que mantenho). Tenho negligenciado muito minha saúde física, e com 18 anos, prestes a me mudar e morar sozinha, me dá um pânico de “serasse eu sei me cuidar mesmo?” Todas as minha fases em que busquei isso sempre foram permeadas por um exagero completo que não me faziam bem. Mas teu texto me deu um tapa na cara. E marquei um check-up. Vamo cuidar do nosso corpicho porque tem dia que a gente não ama ele, mas ele sempre a ama a gente de volta (ou pelo menos o suficiente pra funcionar e permitir que a gente faça o que gosta) <3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *